Biologia marinha

Eutrofização do ambiente aquático

Eutrofização

Um ambiente aquático equilibrado deve apresentar alta diversidade de organismos, caracterizada por grande número de espécies com poucos indivíduos de cada espécies. Num ambiente sujeito a estresse por poluição, as espécies sensíveis desaparecem e as tolerantes têm seu número aumentado pela eliminação de competidores e pelo desaparecimento de predadores.
Os poluentes nitrogenados e fosfatados dos fertilizantes e do esgoto urbano, através da eutrofização, tornam-se uma forma de degradação de difícil recuperação, sendo a mesma um processo natural caracterizado pelo acúmulo de nitrogênio e fósforo na água, conseqüentemente da produção orgânica.
A poluição se caracteriza, ecologicamente, por uma ação eminentemente seletiva. Alterando a composição química e física do meio ela o torna impróprio a vida de uma grande número de espécies, ao mesmo tempo em que favorece ao desenvolvimento de outros. Mais do que simples destruição de organismos, ela provoca a destruição de um equilíbrio ou ciclo biológico pré-existente, para criar um outro equilíbrio ou ciclo biológico. Os despejos ou agentes causadores da poluição não devem ser considerados como meros destruidores de seres aquáticos e introdutores de outros seres, como geralmente se é levado a pensar. Não se trata de uma simples substituição. Mais importante que isso, é o desaparecimento das condições de desenvolvimento normal da flora e fauna primitivas e o aparecimento de novas condições que favorecem o desenvolvimento de uma nova fauna e flora.
As condições ambientais sofrem grande flutuação, pois são dependentes das condições atmosféricas, que costumam apresentar grande amplitude de variação. A temperatura é o fator atmosférico mais importante neste ambiente. Outro fator abiótico de grande importância são as marés, que geralmente cobrem e descobrem os organismos bentônicos da região litoral do costão duas vezes ao dia. A ação das ondas é outro fator importante, pois, pode facilmente remover os animais do costão rochoso.
A salinidade pode também variar muito, principalmente em poças de maré, regiões do costão onde a água do mar fica retida até a maré alta seguinte. O oxigênio é um parâmetro de pequena importância na região, dada a grande movimentação da água, que propicia grande difusão deste gás da atmosfera para a água do mar.
No costão rochoso quando não há impacto por atuação antrópica, o processo de secessão ecológica atua normalmente com o clímax entre as espécies diferentes sem haver uma dominância absoluta de uma espécie, o que acontece em locais impactados onde uma espécie é favorecida e domina sobre as outras, conseqüentemente aumentando a sua biomassa, ocasionando a diminuição na diversidade.

Profº e Oceanografa -Lígia Fernandes

Anúncios

7 comentários em “Eutrofização do ambiente aquático”

  1. quero saber mais sobre a vida no ambiente marinho

    la no fundo do mar e pra agora vo fazer um trabalho de escolaaaaaaa.. .. obrigada..bjs

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s